terça-feira, 16 de outubro de 2007

'dear darkness'


abro a janela. lá fora vive o mundo. mas eu esmoreço aqui dentro. congelo e descongelo. animo-me e desanimo-me. entendo e confundo-me. encontro-me e perco-me. vivo e morro. abro a janela para ver a vida passar lá do outro lado. para ver outras vidas caminharem, sem direcção e sem sentido. todas em busca de uma qualquer coisa que embeleze as suas vidas. à procura sem encontrarem.
abro a janela. lá fora o sol aquece. o sol come a cor da toalha pendurada no estendal. o mundo passa lá fora. e eu, deste lado da janela, onde o sol não entra e em que se ouve uma voz entoar 'dear darkness, dear darkness', vou tentando encontrar o caminho para chegar lá fora, poder ver a luz do sol e andar também, no meu passo mais descontraído, à procura de não sei o quê, sem qualquer esperança de o encontrar.

1 comentário:

sara disse...

acho que estás enganada.
o lado de fora é isto mesmo, com sol, frio, cheio de doces e de podres.
no lado de dentro, fica a esperança. Sempre, de mudança ou apenas de que não aconteça nada que nos impeça de abrir a janela.
beijocas.
sara